FESTIVAL CULTURAL MEU VIZINHO PARDINI RECEBE A BANDA “A COR DO SOM”

 

Após 10 anos da última apresentação na capital mineira, o grupo retorna à cidade com sua formação original para show aberto ao público, no dia 05 de maio, na Praça da Liberdade. Dadi, Armandinho, Ary Dias, Gustavo Schroeter e Mu Carvalho subirão ao palco do festival com novo disco, que celebra as quatro décadas de carreira da banda.

O Festival Cultural Meu Vizinho Pardini acontece desde 2016, levando cultura, lazer e saúde para praças públicas de BH. Outras três edições estão previstas para 2018, na cidade.

Belo Horizonte, abril de 2018 – Um evento cultural já conhecido de Belo Horizonte volta a ocupar espaços públicos da capital de maneira gentil e acolhedora. Patrocinado pelo Hermes Pardini, a edição 2018 do Festival Cultural Meu Vizinho Pardini começa no dia 05 de maio, sábado, com acesso gratuito e atrações locais e nacionais durante todo o dia e para todas as idades. Pela primeira vez, o evento, que já rodou praças da capital e da região metropolitana em 2016 e 2017, será realizado na Praça da Liberdade. Entre as atrações, o inédito show em BH de A Cor do Som, banda que mistura o rock com ritmos brasileiros e está celebrando 40 anos de carreira. O grupo, que retomou a carreira em 2016, vem com formação original: Dadi (baixo), Armandinho (guitarra, bandolim e guitarra baiana), Ary Dias (percussão), Gustavo Schroeter (bateria) e Mu Carvalho (teclados). Entre os sucessos da banda estão “Beleza Pura”, “Zanzibar”, “Alto Astral” e “Menino Deus”. A apresentação está marcada para 17h30.

A Cor do Som, pela autodefinição do grupo, promove uma orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo. A expectativa pela apresentação da banda está tanto na importância de sua bagagem musical, quanto pelo papel que tiveram ao abrir caminho no estilo pop nacional. As comemorações pelos 40 anos de carreira começaram em janeiro desse ano, com a gravação da música Alvo Certo para plataformas digitais, e seguem com o lançamento de um disco, ainda no primeiro semestre de 2018, com várias participações especiais, como Gilberto Gil, Roupa Nova, Djavan, Samuel Rosa, Flávio Venturini, Natiruts e Lulu Santos (mais informações abaixo).

Festival Cultural Meu Vizinho Pardini
As atrações do evento começam às 8h, com a abertura da Festa da Família da UMEI Timbiras, seguida da contação de histórias de Alessandra Vissentim às 8h30, espetáculo circense com o Grupo Trampulim às 10h e o teatro A Bela Adormecida, do Grupo Giramundo, às 11h15, fechando a parte especialmente dedicada às crianças.

A partir das 13h, o palco ganha novos acordes com o choro protagonizado por mulheres instrumentistas, compositoras e cantoras do grupo Abre a Roda e, na sequência, o pop rock da Banda Radio Caos. Do palco para o chão, às 16h o festival se transformará num cortejo de jazz ao estilo clássico de News Orleans com o Bloco Magnólia; e para encerrar, a partir das 17h30, o Meu Vizinho traz a grande novidade do evento, com a apresentação de A Cor do Som, banda criada em 1977, que lança nesse semestre um disco pelos 40 anos de carreira.

A edição do Meu Vizinho Pardini na Praça da Liberdade é uma apresentação do Ministério da Cultura e Hermes Pardini, realizado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A programação, como sempre, pretende oferecer opções de cultura e lazer para toda a família. Não por outro motivo, o Festival ganha um novo parceiro nessa primeira edição: a UMEI Timbiras, que realizará sua Festa da Família dentro do evento.

O evento contará com área infantil, opções gastronômicas e experiências de bem-estar e cuidados com a saúde do Hermes Pardini, patrocinador do evento. Nesta edição, também serão parceiros o Circuito Liberdade, IEPHA, Instituto Metodista Izabela Hendrix, Cultura Inglesa e Construtora Patrimar. Estão previstas outras três edições do Festival esse ano, em Belo Horizonte, todos com a mesma essência da convivência festiva e harmônica com os espaços públicos da cidade.

Sobre o Meu Vizinho
O Festival Cultural Meu Vizinho Pardini chega ao terceiro ano levando música, teatro, intervenções circenses e vivências de saúde e bem-estar a praças e parques de Belo Horizonte e região metropolitana, sempre com entrada franca.

Mais do que um evento, o Festival é uma iniciativa de fortalecimento da cultura, por meio da ocupação de espaços públicos, proporcionando experiências de convivência social, valorização da arte e da produção local e integração com a comunidade.

A Cor do Som
Com sua inusitada e orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo, A Cor do Som foi a grande surpresa da música brasileira em fins dos anos 1970, antecipando o rock que iria imperar na década seguinte. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo de Moraes Moreira, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos. Estavam nessas gravações Dadi (o jovem baixista carioca que tinha entrado para a comunidade musical dos Novos Baianos e também tocava com Jorge Ben), Armandinho (o mestre da guitarra baiana e do bandolim, filho do Osmar, um dos inventores do trio elétrico) e Gustavo (outro carioca, baterista que veio do grupo A Bolha e também músico de Jorge Ben), com Mú (pianista e tecladista, irmão caçula de Dadi) estreando profissionalmente em uma faixa – e, logo em seguida, incorporado à banda nos shows. Já Ary Dias (percussionista baiano que veio de Banda do Companheiro Mágico), tocou no disco de estreia d’A Cor, mas só entrou oficialmente, completando a formação clássica, a partir do segundo álbum.

Como Dadi, mais de três décadas depois, contou no livro de memórias “Meu caminho é chão e céu” (Record, 2014), a paixão de Armandinho e Mú pelo choro foi o estímulo para as primeiras músicas do grupo que começava a nascer. Quanto ao nome, foi pedido emprestado a Galvão e Pepeu Gomes, que chamavam de A Cor do Som o núcleo instrumental dos Novos Baianos.

Após dois discos instrumentais de grande repercussão junto à crítica, “A Cor do Som” (1977) e “Ao vivo” (registro do show no Festival de Jazz de Montreux, em julho de 1978), as portas se abriram de vez para o grupo quando Armandinho, Dadi e Mú também assumiram os microfones. Parcerias deles com, entre outros, Moraes Moreira e Fausto Nilo ou composições feitas especialmente para A Cor por Caetano e Gil garantiram as altas execuções nas emissoras de rádio e TV e os shows lotados por todo o Brasil.

PROGRAMAÇÃO COMPLETA – 05 DE MAIO
ACESSO GRATUITO

8h – Abertura da Festa da Família UMEI Timbiras
8h30 – Contação de Histórias, com Alessandra Vissentim
10h – Grupo Trampulim
11h15 – Giramundo, com A Bela Adormecida
13h – Grupo de Choro Abre a Roda
14h30 – Pop Rock com Rádio Caos
16h – Bloco Magnólia
17h30 – A Cor do Som

SERVIÇO:
PRIMEIRA EDIÇÃO DO FESTIVAL MEU VIZINHO PARDINI 2018 – PRAÇA DA LIBERDADE
Dia 05 de maio – Sábado, das 8h às 19h
Local: Praça da Liberdade
ACESSO GRATUITO
Informações: www.meuvizinhopardini.com.br

ATENDIMENTO À IMPRENSA
Árvore Gestão de Relacionamento (31) 3194-8700

Cristina Sanches – (31) 3194.8703 | 98489 2098
cristina@aquitemarvore.com.br

Receba tudo no seu email! Prometemos não enviar spam!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *